28.04.2017

Arquivo da categoria: Política

Assinatura dos Feeds

Ex-vice-presidente José Alencar morre aos 79 anos

O ex-vice-presidente da República José Alencar morreu nesta terça (29), às 14h41, por falência múltipla de órgãos, aos 79 anos, no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. O político mineiro lutava havia 13 anos contra um câncer na região do abdômen. Na última das várias internações, Alencar estava desde segunda (28) na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital Sírio Libanês, em São Paulo, com quadro de suboclusão intestinal. O ex-vice-presidente lutava contra o câncer havia 13 anos, mas nos últimos meses, a situação se complicou. Após passar 33 dias internado – inclusive no Natal e no Ano Novo –, o ex-vice-presidente havia deixado o hospital no último dia 25 de janeiro para ser um dos homenageados no aniversário de São Paulo. A internação tinha sido motivada pelas sucessivas hemorragias e pela necessidade de tratamento do câncer no abdômen. No dia 26 de janeiro, recebeu autorização da equipe médica do hospital para permanecer em casa. No entanto, acabou voltando ao hospital dias depois. Durante o período de internação, Alencar manifestou desejo de ir a Brasília para a posse da presidente Dilma Rousseff. Momentos antes da cerimônia, cogitou deixar o hospital para ir até a capital federal a fim de descer a rampa do Palácio do Planalto com Luiz Inácio Lula da Silva. Ele desistiu após insistência da mulher, Mariza. Decidiu ficar, vestiu um terno e chamou os jornalistas para uma entrevista coletiva, na qual explicou por que não iria à posse e disse que sua missão estava “cumprida”. Na conversa com ... Leia Mais »

Radares: Venâncio diz que SMTT engana a população

Os equipamentos de fiscalização eletrônica do trânsito de Aracaju voltaram a ser tema na Assembleia Legislativa hoje, 22. O líder da oposição, deputado estadual Venâncio Fonseca, disse que ‘os pardais’,  equipamentos instalados no trânsito de Aracaju, servem para punir os aracajuanos, continuam aplicando multas mesmo depois do prefeito Edvaldo Nogueira ter anunciado a suspensão dos contratos com as empresas Koop e Splice, envolvidas em graves denúncias de corrupção. Venâncio disse que logo após sair a notícia no Fantástico, envolvendo as empresas, a Prefeitura de Aracaju veio à público, através de Antônio Samarone, tentar justificar que estava tudo correto. “Tentaram justificar o ‘mal feito bem feito’. Quanto mais tentam se justificar, mas se embolam”, argumenta o deputado. A prefeitura e a SMTT, segundo ele, querem ‘forçar a barra’ e fazem pior. “Edvaldo dizia que estava tudo correto e suspende o contrato. Pensávamos que ele ia suspender os equipamentos e não fez isso”, lamentou. De acordo com o líder da oposição, o maquinário (radares) pertence às empresas denunciadas por corrupção e a prefeitura se apodera dos equipamentos que não lhe pertence para poder operar. “Não tem cabimento, não tem justificativa. As empresas não aceitaram essa proposta de maneira nenhuma”, lembrou. Segundo Venâncio, elas não querem que a prefeitura use o maquinário. “Suspenderam o contrato e se apossaram do maquinário dos outros. E as empresas vão receber o que? Será de graça? A situação da prefeitura é complicada e se atola mais a cada dia”. O deputado afirmou que o colega Gilmar Carvalho ... Leia Mais »

Hoje é o último dia para justificar ausência no 2º turno das Eleições 2010

O eleitor que não votou nem justificou a ausência no segundo turno das Eleições 2010, ocorrido no último dia 31 de outubro, tem até esta quinta-feira, 30, para apresentar Requerimento de Justificativa Eleitoral ao juiz da zona eleitoral onde está inscrito. Quem se encontrava no exterior no dia da eleição e não participou da votação para presidente da República também deve justificar sua ausência no máximo 30 dias após o retorno ao Brasil. Para obter o formulário de Requerimento de Justificativa Eleitoral, que é gratuito, basta que o eleitor se dirija a um dos cartórios eleitorais ou postos de atendimento ao eleitor ou, ainda, imprima o documento nos sites do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e dos tribunais regionais eleitorais (TREs) de cada estado. Depois de preenchido, o formulário deve ser endereçado ao juiz da respectiva zona eleitoral. Na justificativa o eleitor precisa informar os seguintes dados: nome completo, data de nascimento, filiação, número do título eleitoral, endereço atual e o motivo da ausência à votação. Deve ainda ser apensada ao formulário uma cópia de documento oficial que comprove sua identidade. Se o requerimento for entregue com dados incorretos ou que não permitam a identificação do eleitor, não será considerado válido para justificar a ausência às urnas. Os endereços dos cartórios eleitorais podem ser obtidos nas páginas dos TREs na internet, que podem ser acessadas aqui. Consequências para quem não justificar Quem não apresentar a justificativa dentro do prazo, isto é, não regularizar sua situação com a Justiça Eleitoral, deverá pagar ... Leia Mais »

Decisão sobre validade da Lei da Ficha Limpa está nas mãos do eleitor

O julgamento do Supremo não teria terminado com o impasse sobre a Lei da Ficha Limpa. Isso é um fato. E se julgar depois das eleições? O que poderiam alegar os barrados por sujeira? Que foram eleitos enquanto a lei estava sub judice e que foram julgados e aprovados pelo eleitor? Pode-se ter esta preocupação, mas há um outro lado. O movimento Ficha Limpa, mobilizando milhões de eleitores, empurrando a Câmara e o Senado, provocando julgamentos em todas as instâncias da Justiça Eleitoral, chamou a atenção do país para o fato de que nas listas de candidatos oferecidas pelos partidos políticos existem sujos e limpos. O impasse no Supremo parece providencial. Diz aos eleitores: “isso é com vocês. Não empurrem a decisão do voto para os outros, nem mesmo para os julgadores supremos”. Muitos se queixam de que as opções são pobres, medíocres. Essa queixa tem que ser encaminhada aos partidos políticos, que aceitam fichas sujas como candidatos. O empate no Supremo sacode a todos nós, eleitores. Nós é que julgamos a quem vamos entregar a administração dos nossos impostos, 30 a 40% do produto do nosso trabalho. O supremo julgamento não está na Praça dos Três Poderes. Está na urna da nossa sessão eleitoral. Está na nossa consciência, que vai decidir o nosso futuro e o futuro dos outros. Este empate força a entender que a decisão está nas mãos de quem sempre esteve: o eleitor. Que agora ainda tem mais destacada essa diferença entre ficha limpa e ficha ... Leia Mais »

Scroll To Top